Relatório dos Republicanos na Câmara dos EUA revela extensão do encobrimento do COVID-19 na China e pela OMS


Os republicanos no Comitê de Relações Exteriores da Câmara divulgaram seu relatório final sobre como o PCC da China lidou com os primeiros dias do surto de COVID-19 em Wuhan, na China – revelando “evidências ainda mais perturbadoras sobre o encobrimento do Partido Comunista Chinês (PCC) e do Diretor Geral da OMS, Tedros. no manejo incorreto do vírus que permitiu que ele se transformasse em uma pandemia mortal ao ser sonegado as informações para o resto do mundo”.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Relatório dos Republicanos na Câmara dos EUA revela extensão do encobrimento do COVID-19 na China e pela OMS

Fontes:  Breitbart – Zero Edge

Os republicanos do Comitê de Relações Exteriores da Câmara divulgaram na manhã de segunda-feira seu relatório final sobre a forma como o Partido Comunista chinês lidou com o surto de COVID-19 em Wuhan, China, que forneceu detalhes contundentes de como Pequim tentou esconder o surto do coronavírus o máximo possível, permitindo sua disseminação para o resto do mundo.

“À medida que continuamos nossa investigação sobre as origens da pandemia COVID-19, descobrimos evidências ainda mais perturbadoras sobre o encobrimento do Partido Comunista Chinês (PCC) e o manuseio grosseiro do diretor-geral da OMS, Tedros, do vírus que permitiu que ele se transformasse em uma pandemia global e mortal”,  disse o principal representante republicano do comitê, Michael McCaul (R-TX), que liderou a investigação.

Ele adicionou:

“É claro que se o PCC chinês fosse transparente e se o chefe da OMS se preocupasse mais com a saúde global do que apaziguar o PCC, muitas vidas poderiam ter sido poupadas e a devastação econômica generalizada poderia ter sido mitigada. Revelar a verdade é apenas o primeiro passo; devemos responsabilizar tanto o PCC-China quanto o Diretor-Geral da OMS, Tedros, pelo sofrimento que eles permitiram que o mundo suportasse”.

O relatório, que é uma continuação de seu relatório provisório emitido em junho, contém mais detalhes e novas informações sobre como o PCC chinês puniu uma enfermeira por falar sobre o vírus no início do surto, forçou as empresas americanas na China a produzirem equipamentos de proteção individual (PPE) apenas para seus cidadãos, instruiu as empresas chinesas em todo o mundo a começar a comprar suprimentos essenciais e ameaçou outros países economicamente se eles se manifestassem contra a China.

Os investigadores obtiveram cópia de um aviso de disciplina de 26 de janeiro de 2020 para uma enfermeira, Li Min, na cidade oriental de Taizhou, que discutiu o surto do vírus em sua cidade com colegas e familiares por meio do aplicativo de mensagens WeChat – revelando uma repressão generalizada de profissionais médicos no país. Taizhou fica a dez horas de carro de Wuhan, onde o vírus se originou e onde o PCC tentou silenciar os médicos locais pela primeira vez.

A notificação disciplinar foi emitida porque o Diretor Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, deveria chegar a Pequim para discutir o COVID-19 com o Presidente Chinês e Secretário Geral do PCC, Xi Jinping. Em 29 de janeiro de 2020, Tedros “elogiou a resposta do PCC chinês” ao vírus, chamando-o de “muito impressionante e além das palavras” e que o PCC estava “na verdade estabelecendo um novo padrão para a resposta a um surto”.

O relatório também revela como, durante os estágios iniciais do surto, o PCC chinês começou a adquirir milhões de máscaras de proteção, aventais médicos e luvas no mercado internacional e despachar centenas de toneladas de EPI para a China. O relatório também revela que o PCC nacionalizou as cadeias de abastecimento e a capacidade de fabricação de empresas americanas na China – incluindo a General Motors e a 3M – para produzir suprimentos médicos enquanto negava licenças de exportação para seus produtos para outros países.

Isso ajudou a China e prejudicou a capacidade dos EUA e de outros países de adquirir EPIs, de acordo com o relatório:

Isso permitiu que a [República Popular da China] aumentasse a produção de máscaras faciais de 20 milhões para mais de 100 milhões por dia, às custas de empresas estrangeiras serem autorizadas a exportar seus produtos – vários fabricantes afirmaram que a RPC não as autorizou a exportar EPIs produzidos em suas instalações”.

“É altamente provável que a nacionalização da capacidade de fabricação de empresas estrangeiras pela China, incluindo a 3M e a General Motors, tenha impactado diretamente a capacidade dos Estados Unidos e de outros países de adquirir EPI no mercado global”.

Conforme os países começaram a pedir uma investigação internacional sobre o encobrimento da China, o PCC ameaçou cortar suprimentos essenciais e travou uma campanha de coerção econômica para silenciá-los, de acordo com o relatório.

O relatório disse que depois que a Austrália solicitou uma investigação internacional sobre as origens do COVID-19 e os estágios iniciais do surto, o embaixador chinês na Austrália, Cheng Jingye, ameaçou em abril um boicote aos produtos australianos em uma entrevista à Australian Financial Review : “Talvez as pessoas comuns vão dizer ‘Por que devemos beber vinho australiano? Comer carne australiana?”

Em poucos dias, a China suspendeu as importações de carne bovina dos quatro maiores processadores de carne da Austrália e anunciou tarifas totalizando 80,5 por cento sobre as importações de cevada australiana que permanecerão em vigor por cinco anos, disse o relatório. O relatório também criticou fortemente a resposta da OMS e a deferência de Tedros para com a China, que ajudou no encobrimento da China e retardou a resposta global.

A conclusão do relatório afirma:

“Os líderes seniores do PCC, incluindo o secretário-geral do PCC Xi Jinping, sabiam que uma pandemia estava em andamento semanas antes de ser anunciada. Em vez de alertar o mundo, o PCC escolheu nacionalizar as cadeias de suprimentos estrangeiras e secretamente comprar suprimentos médicos em países estrangeiros para enviar para a RPC. Quando os países reclamaram ou defenderam uma investigação sobre o encobrimento do PCC, a RPC ameaçou proibir as exportações ou instituiu tarifas massivas para punir esses países. O PCC continua a tentar intimidar não apenas a OMS, mas outros países ao redor do mundo que querem entender as principais falhas que levaram o COVID-19 a se tornar uma pandemia global”.

“A pesquisa mostra que o PCC poderia ter reduzido o número de casos na China em até 95% se tivesse cumprido suas obrigações de acordo com o direito internacional e respondido ao surto de maneira consistente com as melhores práticas. É muito provável que a pandemia em curso pudesse ter sido evitada. A OMS, apesar das discussões internas sobre a falta de transparência e cooperação do PCC, continua a elogiar o Secretário-Geral Xi e o RPC por lidar com o vírus. Como tal, é responsabilidade dos Estados Unidos e dos Estados Membros da OMS com ideias semelhantes garantir a cobrança das responsabilidade e as reformas na OMS necessárias para evitar que a má-fé do PCC e a subserviência da OMS dê origem a uma terceira pandemia durante o século XXI”.

Relatório final da minoria republicana sobre as origens da pandemia global COVID-19, incluindo os papéis do PCC e da OMS … por Kristina Wong no Scribd.

Via: https://thoth3126.com.br/relatorio-dos-republicanos-na-camara-dos-eua-revela-extensao-do-encobrimento-do-covid-19-na-china-e-pela-oms/




Categorias:Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: