Europa: A anatomia de uma grande crise financeira, que se avizinha …


Neste blog, apresentamos a anatomia de uma crise financeira. Uma característica de uma crise bancária, financeira é que ela tende a seguir, mais ou menos, o mesmo padrão, independentemente do ‘choque’ ou ‘gatilho’ que a inicia. A próxima fase da atual debacle provavelmente será uma crise financeira global, como já  vínhamos  antecipando há algum tempo (ver, por exemplo, Q-Review 4/2017 ).  No entanto, poucos entendem o que é uma crise financeira, embora seja provavelmente um dos fenômenos econômicos mais temidos e danoso da humanidade.

Tradução, edição e imagens:  Thtoh3126@protonmail.ch

A anatomia de uma grande crise financeira

Por Tuomas Malinen – Fonte:  https://gnseconomics.com/2020/08/24/the-anatomy-of-a-financial-crisis/

Então, vamos mergulhar na análise do processo que esta em pleno desenvolvimento.

O inicio da “debacle”

Se um sistema bancário e financeiro é sólido e robusto [e não um cassino corrupto e prostituído], geralmente pode resistir a choques financeiros e econômicos.

Mas um sistema bancário pode ser frágil. Normalmente, isso se deve aos altos níveis de alavancagem, em que os bancos emprestaram agressivamente e/ou carregam investimentos financeiros de risco em seus balanços – geralmente os dois. Os bancos também podem ter uma posição financeira fraca, com rentabilidade cronicamente baixa e reservas insuficientes. Como explicamos anteriormente, este é exatamente o estado em que o setor bancário europeu se encontra. 

O início de uma crise financeira requer um gatilho. O mais comum é uma recessão ou expectativa de recessão entre consumidores e investidores.

A recessão leva à diminuição da renda e à inadimplência tanto das empresas quanto das famílias. Isso aumenta a participação dos empréstimos inadimplentes nas carteiras de empréstimos bancários, reduzindo o valor das garantias do empréstimo, reduzindo lucros e aumentando os riscos bancários e as necessidades de capital. À medida que as reduções e perdas aumentam, a desconfiança entre outros bancos e depositantes e investidores também aumenta, se disseminando pelo mercado como uma onda. O preço das ações de um banco nessas dificuldades geralmente começará a refletir isso.

Uma ‘corrida aos bancos’ para saque de ativos pelos seus clientes

Se a suspeita se espalhar pelo mercado, os bancos ficarão apreensivos com o risco da contraparte e não estarão dispostos a emprestar uns aos outros, mesmo durante a noite [overnight]. Se for permitido que continue, isso terá um impacto calamitoso sobre a liquidez nos mercados monetários.

No pior caso, possivelmente alimentado por rumores e informações privilegiadas, ocorrerá uma ‘corrida aos bancos’ pelos depositantes e investidores, em que os depositantes tentam sacar seu dinheiro repentina e simultaneamente.  Nos anos anteriores, os depositantes faziam fila fora das agências bancárias para sacarem seu dinheiro e ativos.  Agora, num mercado altamente informatizado, os saques são em grande parte eletrônicos.

Ao mesmo tempo, os investidores e contrapartes institucionais dos bancos correm para reduzir sua exposição vendendo freneticamente suas ações e títulos, bem como derivativos e outros passivos interbancários. Se isso continuar, a confiança nos bancos será quebrada e ele falirá. As especulações crescentes sobre a saúde financeira de bancos sólidos e não sólidos, combinadas com problemas de financiamento e liquidez, eventualmente desencadeiam uma crise bancária em todo o sistema financeiro, levando junto bancos saudáveis.

Na história, houve muitos gatilhos diferentes para calamidades financeiras. O gatilho para a Grande Depressão da década de 1930 foi uma recessão, que primeiro quebrou o mercado de ações dos EUA em outubro de 1929 e, em seguida, deu início à crise bancária em outubro de 1930. A crise financeira do Japão na década de 1990 começou com um crash do mercado de ativos em 1990. a recente crise financeira global teve vários gatilhos incluindo o colapso do “High-Grade Structured Credit Strategies Enhanced Leverage Fund”[“Fundo de alavancagem aprimorado de estratégias de crédito estruturadas de alto grau”] , patrocinado pelo banco de investimento Bear Stearns em junho de 2007, e, finalmente, o colapso do “venerável” banco de investimento Lehman Brothers em 14 de outubro de 2008 .

A resposta

O que se segue ao início de uma crise bancária – que geralmente começa com apenas um banco e contamina todo o sistema – depende da condição geral do setor bancário e da resposta rápida das autoridades monetárias do pais onde o fato acontece.

Os reguladores bancários podem assumir o controle do banco em dificuldades, assegurar o pagamento das garantias de depósito e providenciar a fusão ou aquisição do banco em dificuldades por uma instituição financeira mais forte. Esse processo bem estabelecido permite que os clientes do banco – depositantes e tomadores de empréstimos – sejam protegidos, enquanto os proprietários das ações, a administração do banco e alguns, ou mesmo todos os credores arcam corretamente com as perdas. Um banco central normalmente fornecerá liquidez para facilitar isso. Se os problemas no setor bancário se limitam a um banco, tais medidas podem ser suficientes para conter o pânico generalizado e uma corrida em massa aos bancos.

No entanto, se o setor bancário como um todo estiver comprometido ou sofrendo um choque econômico significativo o suficiente, mesmo políticas sólidas e intervenção do governo podem não ser suficientes para cobrir perdas de bancos e depositantes, levando a corridas bancárias em todo o setor e a falência de todo o sistema.

As implicações

Em uma crise bancária, o fornecimento de crédito ficará muito restrito e as linhas de crédito provavelmente serão retiradas – especialmente aquelas para empresas. Na pior das hipóteses, as autoridades serão capazes de resgatar apenas alguns bancos ou apenas salvar os depositantes, o que ocorreu na Islândia em 2008/2009. Quando o setor bancário entra em colapso generalizado, significa que a economia enfrenta uma séria depressão de crédito, em que a disponibilidade de crédito diminui significativamente.

Quando a crise bancária for global, como será desta vez, o acesso ao crédito será restrito globalmente, com a atividade de hedge fortemente reduzida como resultado. Por exemplo, de 2007 a 2008, os fluxos globais de capital bruto despencaram 90% .

A disponibilidade dos chamados “freight derivatives” [derivativos de frete/transporte], que são usados ​​por usuários finais (por exemplo, armadores e produtores de grãos) e fornecedores (por exemplo, empresas de comércio internacional) para mitigar o risco de embarques de mercadorias, pode entrar em colapso. Isso significaria uma redução séria ou até mesmo uma paralisação completa da atividade global de frete [de mercadorias]. Embora seja impossível avaliar, com precisão, a gravidade do impacto de um colapso na disponibilidade desses derivados no frete global, temos que supor que seria grande, porque os fabricantes não embarcarão sem um seguro adequado para recebimento pela sua mercadoria. 

No caso de uma crise financeira global, portanto, temos que estar preparados para:

  • Colapso dos mercados de ativos.
  • Colapso na disponibilidade global de crédito e serviços bancários.
  • Colapso na demanda global.
  • Colapso do frete global.
  • Colapso na distribuição de mercadorias, principalmente ALIMENTOS e ENERGIA [petróleo e derivados].
  • No pior caso, o colapso do sistema financeiro global (uma “crise sistêmica” global).

A crise que se aproxima no horizonte

A crise bancária europeia [ e global, como consequência, em um efeito dominó] está se formando há algum tempo. Também é provável que se torne global, visto que a Europa detém a maior concentração de bancos globais sistemicamente importantes (G-SIBs). Itália e Espanha, mas também Alemanha (Deutsche Bank), são os países que devem ser observados de perto.

O retorno sobre o patrimônio líquido (RoE) dos bancos europeus tem sido desanimador desde o GFC (ver Figura 1). Isso ocorre principalmente pordois motivos . Primeiro, os ativos tóxicos, como os CDOs, foram autorizados a permanecer e comprometer os balanços dos bancos europeus após o GFC. Em segundo lugar, as políticas equivocadas do BCE-Bco Central Europeu (OMT, taxas de juro negativas e QE) conduziram à deterioração da rentabilidade do setor bancário europeu.

Figura 1. Retorno sobre o patrimônio líquido (RoE, lucro líquido menos patrimônio líquido). Fonte: GnS Economics, IMF

Agora, devido à recessão global, que começou na zona do euro no quarto trimestre de 2019, e ao grave impacto econômico do combate à pandemia pelo coronavírus, os empréstimos inadimplentes (inadimplentes) de bancos italianos e espanhóis devem disparar de um nível que já era consideravelmente mais alto do que pré-GFC (consulte a Figura 2).

Figura 2. A proporção de empréstimos inadimplentes em relação aos empréstimos brutos. Fonte: GnS Economics, IMF

Praticamente não há como os bancos italianos e – provavelmente – e espanhóis permanecerem resistindo à força do furacão dessas perdas econômicas acumuladas. O início de uma grave [e talvez definitiva] crise bancária europeia está muito próximo e deve preocupar-nos a todos.

Via: https://thoth3126.com.br/europa-a-anatomia-de-uma-grande-crise-financeira-que-se-avizinha/




Categorias:Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: