Rumo a uma guerra EUA-China? A criação de um sistema totalitário global, um “governo mundial” estilo NWO?


Se nos afastarmos dos detalhes das manchetes diárias [da mídia PRE$$TITUTE] ao redor do mundo e tentarmos dar sentido a padrões maiores, mas mais sutis, a dinâmica dominante que define a geopolítica mundial nos últimos três anos ou mais é a aparência de um conflito genuíno irregular entre as duas potências mais formidáveis ​​no planeta – a República Popular da China e os EUA. Cada vez mais está começando a parecer que “algumas redes globais” muito obscuras estão orquestrando o que parece ser uma repetição atualizada de sua Guerra Mundial de 1939-1945. Só que desta vez as apostas são totais, globais e visam a criação de um sistema totalitário global universal, o que David Rockefeller certa vez chamou de “governo mundial único”[Nova Ordem Mundial]. Os poderes obscuros que periodicamente usam a guerra para obter grandes mudanças da política e de paradigma.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Rumo a uma guerra EUA-China? A criação de um sistema totalitário global, um “governo mundial” estilo NWO? – Trata-se de um remake da Grande Guerra de Hitler Stalin de 1941?

Por F. William Engdahl  –  Fonte:  Global Reasearch

Em nome dos “Powers That Be” (“Os Poderes Constituídos” – Deep State, Illuminati, Khazares, Nazistas, et caterva), a Segunda Guerra Mundial foi orquestrada pelos círculos da City de Londres e de Wall Street para manobrar dois grandes obstáculos – Rússia e Alemanha – para travar uma guerra de morte um contra o outro, em ordenar que aqueles PTB anglo-saxões pudessem reorganizar o tabuleiro de xadrez geopolítico mundial em seu proveito, da sua agenda. Em grande parte, teve sucesso, exceto pelo pequeno detalhe de que, depois de 1945, Wall Street e os irmãos Rockefeller estavam determinados a que a Inglaterra fosse a parceira júnior de Washington. Londres e Washington entraram então no período de sua dominação global conhecido como Guerra Fria.

Esse condomínio global anglo-americano terminou, propositalmente, em 1989, com a queda do Muro de Berlim e a desintegração da União Soviética em 1991.

Por volta dessa época, com o início da presidência de Bill Clinton em 1992, a próxima fase – a globalização financeira e industrial – foi inaugurada. Com isso, começou o esvaziamento da base industrial não só dos Estados Unidos, mas também da Alemanha e da UE. A terceirização de mão de obra barata possibilitada pela nova OMC derrubou os salários e destruiu uma indústria após a outra no Ocidente industrial após os anos 1990 e transferiu empresas e empregos para a China Comunista. Foi um passo necessário no caminho para o que GHW Bush em 1990 chamou de Nova Ordem Mundial. O próximo passo seria a destruição da soberania nacional em todos os lugares. Aqui os EUA foram [e continuam sendo] o maior obstáculo.

“ Uma ajudinha dos nossos amigos…”

Para o PTB, que não deve lealdade às nações, apenas ao seu poder que ultrapassa todas as fronteiras, que eles querem eliminadas num governo mundial único, o nascimento da Organização Mundial do Comércio e a entrada da China como membro pleno em 2001 pretendiam ser o próximo passo fundamental. Naquele ponto, o PTB facilitou na China o maior crescimento industrial [e a maior transferência de tecnologia] de qualquer nação na história, possivelmente com exceção da Alemanha de 1871-1914 e dos EUA após 1866. A adesão à OMC permitiu que multinacionais ocidentais, como Apple, Nike, KFC, Ford e VW, despejassem bilhões na China para fazer seus produtos com salários muito baratos para reexportação para o Ocidente.

Um dos grandes mistérios desse crescimento da China é o fato de que a China foi autorizada a se tornar a “oficina do mundo” depois de 2001, primeiro em indústrias de baixa qualificação, como têxteis ou brinquedos e quinquilharias, depois em produtos farmacêuticos e mais recentemente em montagem de eletrônicos e Produção industrial. O mistério se esclarece quando olhamos para a ideia de que o PTB e suas casas financeiras, usando a China, querem enfraquecer potências industriais fortes, especialmente os Estados Unidos, para impulsionar sua nefasta agenda global. Brzezinski costumava escrever que o Estado-nação deveria ser eliminado, assim como seu patrono, David Rockefeller, o mesmo defendendo George Soros. Ao permitir que a China se tornasse um rival de Washington na economia e cada vez mais em tecnologia, eles criaram os meios para destruir a hegemonia da superpotência dos EUA.

No início da presidência de Xi Jinping em 2012, a China era um colosso econômico, perdendo apenas em peso para os Estados Unidos. É claro que isso nunca poderia ter acontecido – não sob os olhos das mesmas velhas famílias anglo-americanas que lançaram as Guerras do Ópio depois de 1840 para colocar a China em pé e abrir sua economia ao saque financeiro ocidental – a menos que os anglo-americanos quisessem.

O mesmo banco britânico envolvido no comércio de ópio na China, Hong Kong and Shanghai Bank (HSBC), fundado por um escocês, Thomas Sutherland em 1865 na então colônia britânica de Hong Kong, com dinheiro obtido pela venda de ópio, é hoje o maior banco não chinês em Hong Kong. O HSBC se tornou tão conectado à China nos últimos anos que desde 2011 tem como membro do Conselho e Vice-Presidente do HSBC, Laura Cha. Cha foi anteriormente vice-presidente da China Securities Regulatory Commission, sendo a primeira pessoa fora da China continental para se juntar ao Governo Central de Pequim da República Popular da China pelo classificação vice-ministerial. Em outras palavras, o maior banco do Reino Unido tem um membro do conselho que é membro do Partido Comunista Chinês e um funcionário do governo comunista chinês. A China precisava de acesso ao dinheiro ocidental e o HSBC e outros bancos selecionados, como JP MorganChase, Barclays, Goldman Sachs ficaram claramente mais do que felizes em ajudar no crescimento da besta.

“ Socialismo com características de Xi Jinping…”

Ao todo, até 2012, quando Xi assumiu o comando do PCC em Pequim, a China parecia estar disposta a ser um “jogador de equipe” globalista, embora com “características chinesas”. No entanto, em 2015, após pouco mais de dois anos no cargo, Xi Jinping endossou uma estratégia industrial nacional abrangente, Made in China: 2025. 

A estratégia China 2025 substituiu um documento globalista ocidental anterior que havia sido formulado com o Banco Mundial e os EUA, o relatório China 2030 de Robert Zoellick. Essa mudança para uma estratégia da China para o domínio da tecnologia global pode muito bem ter desencadeado uma decisão dos membros do PTB globalista de que a China não poderia mais jogar pelas regras dos globalistas, mas sim que o PCC sob Xi agora estava determinado a fazer da China o líder global em tecnologia avançada, IA e biotecnologia. Uma ressurgente hegemonia nacionalista da China não era bem a ideia da gangue da Nova Ordem Mundial, afinal a China rompeu o cabresto.

China: 2025 combinada com a forte defesa de Xi do projeto Belt & Road Initiative [Nova Rota da Seda] para infraestrutura global ligando a China por terra e mar a toda a Eurásia e além, provavelmente sugeriu aos globalistas que a única solução para a perspectiva de perderem seu poder para uma hegemonia global chinesa acabaria sendo uma guerra total, uma guerra que destruiria ambas as potências nacionalistas, EUA E China. Esta é minha conclusão e há muitos indícios de que isso está acontecendo exatamente agora.

Olho por olho

Nesse caso, provavelmente será muito diferente da competição militar da Segunda Guerra Mundial. Os EUA e a maioria das economias industriais ocidentais impuseram “convenientemente” a pior depressão econômica desde 1930 como uma resposta bizarra a um suposto vírus originado em Wuhan e se espalhando pelo mundo. Apesar do fato de que o número de mortos, mesmo com estatísticas muito infladas, está no nível de uma gripe anual severa, a insistência de políticos e da OMS corrupta para impor um bloqueio draconiano e perturbação econômica paralisou a base industrial remanescente nos EUA e na maioria da UE e no ocidente.

A erupção de distúrbios bem organizados e vandalismo sob a bandeira de protestos raciais nos EUA levou as cidades da América a um estado em muitos casos de zonas de guerra que lembram as cidades do filme de 2013 de Matt Damon e Jodie Foster, “Elysium”. Nesse contexto, a retórica anti-Washington de Pequim adquiriu um tom contundente no uso da chamada “Diplomacia do Lobo”.

Agora, depois que Washington fechou o Consulado da China em Houston e a China o Consulado dos EUA em Chengdu, ambos os lados intensificaram a retórica. Empresas de alta tecnologia estão sendo proibidas nos Estados Unidos, exibições militares de força dos Estados Unidos no Mar do Sul da China e águas próximas a Taiwan estão aumentando as tensões e a retórica de ambos os lados. A Casa Branca acusa a OMS de ser um agente de Pequim, enquanto a China acusa os Estados Unidos de criar deliberadamente um vírus mortal e trazê-lo para Wuhan. 

A mídia estatal chinesa apóia a explosão de protestos violentos em toda a América sob a bandeira de Black Lives Matter. Os eventos graduais estão aumentando dramaticamente. Muitos dos autodenominados marxistas norte-americanos que lideram os protestos nas cidades dos Estados Unidos têm laços com Pequim, como o Partido Comunista Revolucionário de origem maoísta, EUA, de Bob Avakian.

“ Guerra Irrestrita”

Nessas condições, que tipo de escalada é provável? Em 1999, dois coronéis do PLA [exército] da China, Qiao Liang e Wang Xiangsui, publicaram um livro com a PLA Press intitulado Unrestricted Warfare. Qiao Liang foi promovido a major-general da Força Aérea do PLA e tornou-se secretário-geral adjunto do Conselho de Estudos de Política de Segurança Nacional. Os dois atualizaram seu trabalho em 2016. Isso dá uma janela para a estratégia militar de alto nível da China .

Revendo a doutrina militar norte-americana publicada após a guerra da Operação Tempestade no Deserto dos EUA em 1991 contra o Iraque, os autores chineses apontam o que vêem como dependência excessiva dos EUA da força militar bruta e da doutrina militar convencional. Eles afirmam: “Observar, considerar e resolver problemas do ponto de vista da tecnologia é o pensamento americano típico. Suas vantagens e desvantagens são muito evidentes, assim como os personagens dos americanos ”. Eles acrescentam, “as ameaças militares já não são mais os principais fatores que afetam a segurança nacional … esses fatores tradicionais estão cada vez mais entrelaçados com a apropriação de recursos, disputa por mercados, controle de capital, sanções comerciais e outros fatores econômicos, na medida em que estão até se tornando secundários em relação a esses fatores.para as nações …  Os dois autores definem a nova forma de guerra como “englobando as esferas políticas, econômicas, diplomáticas, culturais e psicológicos, além das esferas do domínio de terra, mar, ar, espaço e eletrônicos.”

Eles sugerem que a China poderia usar hacking em sites, visando instituições financeiras, terrorismo, usando a mídia interna e conduzindo guerra urbana entre os métodos propostos. Revelações recentes de que entidades chinesas pagam milhões em receitas de anúncios para o New York Times, Washington Post e outros meios de comunicação importantes dos EUA para expressar opiniões positivas sobre a China é um exemplo. Da mesma forma, manobrar um cidadão chinês para chefiar o maior fundo de pensão público dos EUA, CalPERS, que despejou bilhões em ações arriscadas da China, ou persuadir a Bolsa de Valores de Nova York a listar dezenas de empresas chinesas sem exigir a adesão à transparência contábil dos EUA aumenta a vulnerabilidade financeira dos EUA, estes são outros meios de lutar essa guerra.

Tudo isso sugere a forma que uma guerra entre a China e os EUA poderia assumir [ou já assumiu]. Pode ser chamada de guerra assimétrica ou guerra irrestrita, onde nada que perturbe o inimigo está fora dos limites. Qiao disse que “a primeira regra da guerra irrestrita é que não existem regras, nada é proibido”. Não existem Convenções de Genebra impondo regras de guerra.

Os dois autores de Pequim acrescentam que essa guerra irregular pode incluir ataques à segurança política, segurança econômica, segurança cultural e segurança da informação da nação. A dependência [planejada e executada metodicamente] da economia dos EUA das cadeias de suprimento da China para tudo, desde antibióticos básicos a minerais de terras raras militarmente vitais, é apenas um domínio de vulnerabilidade.

Por outro lado, a China é vulnerável a sanções comerciais, perturbações financeiras, ataques bioterroristas, dependência de importação de alimentos e embargos de petróleo, para citar alguns. Alguns sugeriram que a recente praga de gafanhotos e a devastação da peste suína africana nos principais suprimentos de alimentos da China não foram apenas um ato da natureza. Do contrário, provavelmente já estaremos profundamente envolvidos em uma forma não declarada de guerra irrestrita e total EUA-China. Será que as recentes inundações extremas ao longo do rio Yangtze da China, que deformaram e ameaçam romper a gigantesca represa das Três Gargantas, o que provocaria uma catástrofe para cerca de 500 milhões de chineses, que inundaram Wuhan e outras grandes cidades da China e devastaram milhões de hectares de terras agrícolas importantes, não foram total e apenas sazonais?

Uma guerra total e irrestrita entre a China e os EUA seria mais do que uma tragédia. Pode ser o fim da civilização como a conhecemos. É isso que personagens como Bill Gates, George Bush, Biden, Clinton, Obama, et caterva, e seus mestres estão tentando provocar? Eles planejam introduzir seu draconiano distópico “Reset” nas cinzas de tal conflito global total?*

F. William Engdahl é consultor de risco estratégico e palestrante, ele é formado em política pela Universidade de Princeton e é um autor de best-sellers sobre petróleo e geopolítica, exclusivamente para a revista online  “New Eastern Outlook”,  onde este artigo foi publicado originalmente. Ele é Pesquisador Associado do Center for Research on Globalization.

https://thoth3126.com.br/rumo-a-uma-guerra-eua-china-a-criacao-de-um-sistema-totalitario-global-um-governo-mundial-estilo-nwo/




Categorias:Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: