Turquia põe fogo no Mediterrâneo Oriental. Erdogan quer unificar o islã contra a Europa


As relações greco-turcas se deterioraram especialmente na terça-feira passada, quando a Turquia anunciou que realizará uma busca por depósitos de gás no espaço territorial marítimo da Grécia com uma escolta de 17 navios de guerra até 2 de agosto. A rápida resposta naval da Grécia enviando navios de guerra para a área garantiu que os navios turcos permanecessem em águas turcas, com a maioria dos navios turcos retornando ao seu porto de origem. A chanceler alemã Angela Merkel  alertou o presidente turco RecepTayyip Erdoğan  {que pretende ser o último profeta do islã, o Mahdi] que “os gregos não estão brincando” e responderá a qualquer violação de seu espaço marítimo.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Pressão da UE por sanções contra a Turquia aumenta à medida que crescem as tensões do pais com a Grécia

Fonte: Global Research

Os países membros da União Europeia estão divididos em como lidar com a agressiva Turquia, alguns líderes europeus pedem sanções e outros pedem uma redefinição das relações euro-turcas. O presidente francês  Emmanuel Macron  e o presidente alemão do Grupo Parlamentar do Partido Popular Europeu, Manfred Weber, têm se apressado nos últimos dias a pressionar seus colegas por adotar sanções contra a Turquia por causa de suas provocações contra a Grécia e Chipre.

“Em relação à situação no Mediterrâneo, todos nós vimos as ações militares por parte da Turquia.  Também vimos a decisão sobre Hagia Sophia, que é um exemplo de chauvinismo religioso. Um símbolo e monumento de paz e reconciliação agora mudou”, disse Weber na quinta-feira passada. “A questão não é apenas greco-turca ou cipriota-turca, é euro-turca” e acrescentou que “gostaríamos de enfatizar a presença do Sr. Michel [Presidente do Conselho Europeu] e da Sra. Von der Leyen [presidente da Comissão Europeia] que devemos enviar mensagens claras à Turquia de que estamos do lado dos gregos e dos cipriotas. É hora de agir agora, possivelmente para considerar sanções contra a Turquia. Nós devemos agir e agir agora”.

No mesmo dia dos comentários de Weber, Macron recebeu seu colega cipriota, Nikos Anastasiadis, em Paris. Macron enfatizou a necessidade de impor sanções contra o movimento expansionista da Turquia, à luz do que Ancara fez nas últimas duas semanas, emitindo NAVTEX (mensagens de texto de navegação) para pesquisas não apenas na Zona Econômica Exclusiva de Chipre (ZEE), mas também no espaço marítimo grego para o sul da ilha de Kastelorizo. Isso está além de transformar Hagia Sophia em uma mesquita.

“A Europa deve defender sua soberania. Não deixemos nossa segurança no Mediterrâneo nas mãos de outros atores. Mais uma vez, quero expressar a total solidariedade da França com Chipre e Grécia diante das violações turcas aos seus direitos territoriais soberanos. O espaço marítimo de um estado membro da UE não deve ser ameaçado”, disse o presidente francês em um post no Facebook que ele escreveu no idioma grego.

A reação do Ministério das Relações Exteriores da Turquia foi imediata, com o porta-voz  Hami Aksoy  retaliando ao atacar o lado francês, algo que o Ministro das Relações Exteriores turco  Mevlüt Çavuşoğlu está fazendo mais frequentemente ultimamente. No entanto, na Europa, foram ouvidas outras mensagens que são mais conciliatórias com a Turquia.

De particular interesse foi um artigo de 23 de julho publicado no site Politico por Nathalie Tocci , diretora do Istituto Affari Internazionali e consultora especial do Alto Representante Europeu para os Negócios Estrangeiros,  Josep Borrell. Ela também foi consultora especial da antecessora de Borrell, Federica Mogherini . Há alguns anos, Tocci também ocupa uma posição no conselho da gigante energética de petróleo italiana ENI, que opera na ZEE cipriota e na Líbia.

“A UE não adotou sanções contra a Turquia e é improvável que o faça no futuro”, escreveu Tocci no Politico, enfatizando que Atenas, Nicósia e Paris tiveram que “começar a tratar a Turquia como parceira, e não como adversária”. Ela acrescentou que agora deve ser dada prioridade ao objetivo de modernizar a união aduaneira UE-Turquia.

No entanto, o consultor italiano de Borrell também observou em seu artigo que a Turquia poderia trabalhar supostamente pelos interesses europeus na Líbia, sem definir o que são os interesses europeus unidos na Líbia. É claro que isso é uma sugestão insondável, pois existem interesses europeus [no petróleo] concorrentes na Líbia, especialmente porque países como a Itália estão dispostos a ignorar que a Turquia e o governo da Irmandade Muçulmana na capital líbia de Trípoli assinaram um Memorando de Entendimento para dividir o espaço marítimo grego entre si . As questões acima devem ser discutidas em uma próxima reunião entre Borrell e Çavuşoğlu, que ocorrerá antes do final de agosto.

As relações greco-turcas se deterioraram especialmente na terça-feira passada, quando a Turquia anunciou que realizará uma busca por depósitos de gás no espaço territorial marítimo da Grécia com uma escolta de 17 navios de guerra até 2 de agosto. A rápida resposta naval da Grécia enviando navios de guerra para a área garantiu que os navios turcos permanecessem em águas turcas, com a maioria dos navios turcos retornando ao seu porto de origem. A chanceler alemã Angela Merkel alertou o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan que “os gregos não estão brincando” e responderá a qualquer violação de seu espaço marítimo.

Merkel também disse a Erdoğan que ela deve se defender continuamente das alegações europeias de que é um aliado leal inquestionável da Turquia, e que entre essas acusações foi o momento em que o presidente turco decidiu aumentar as tensões com a Grécia e Chipre. “Você está me expondo”, disse ela a Erdoğan.

Antigas profecias sobre a vinda do último profeta, o libertador do Islã contra os infiéis do ocidente, o Imam Mahdi, parece que estão prestes a se confirmar …

Isso ocorre porque os alemães têm um relacionamento inquebrável e contínuo com os turcos desde pelo menos o início dos anos 1800. Embora Berlim defenda tradicionalmente ou seja indiferente à agressão turca contra a Grécia e Chipre, até o comportamento errático de Erdoğan é indefensável para os alemães.

Isso deixa a Itália como o único estado europeu disposto a ignorar a agressão turca contra membros da União Europeia. Isso ocorre porque sua política no Mediterrâneo Oriental é orientada pelos interesses da gigante petrolífera ENI. No entanto, a Itália é um membro da UE suficientemente grande para ter alguma influência na política europeia e pode interromper os planos de sancionar a Turquia. Mais uma vez, a UE demonstrou que não há verdadeira unidade dentro do bloco, mesmo quando os Estados membros são violados diariamente pela Turquia.

Este artigo foi publicado originalmente no InfoBrics .

Paul Antonopoulos é um analista geopolítico independente.

 


Categorias:Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: