O que diz a ciência sobre a vida em outros planetas: somos a única combinação possível ou há outras?


Cena do filme A Chegada [2016]
Créditos: Divulgação

É muito importante termos em mente que os cientistas buscam respostas para o surgimento da vida e para suas variações possíveis. O fato de muitos não aceitarem que vida extraterrestre nos visita não significa que não estudam o assunto.

 Há uma noção errônea dentro da Ufologia que muitas pessoas aceitam se questionar, que diz que a ciência não aceita que haja vida em outros planetas. Isso é falso.

O que a ciência oficialmente não aceita, porque não há provas incontestáveis de sua realidade para os moldes científicos, é que inteligências de outros mundos viagem até a Terra para nos visitar. Mas quanto à vida em outros lugares do universo, a ciência não só pensa que ela exista, como busca por ela há décadas.

Nesse sentido, é sempre muito importante para quem gosta de Ufologia conhecer quais são as possibilidades e combinações biológicas que podem ter produzido vida em outros lugares, diferente daquilo que conhecemos.

Parecida conosco ou diferente de nós?

Extraterrestre, concepção artística.  Crédito: Revista UFO

Os escritores de ficção científica há muito tempo têm imagens bizarras e vívidas da vida extraterrestre, com plutonianos que se assemelham a cubos de gelo inteligentes, com a visão de HG Wells de homens de alumínio e silicone vivendo em uma atmosfera de enxofre gasoso nas margens de um ferro líquido mar. 

Os astrobiólogos debateram calorosamente como a vida extraterrestre evoluiria para se assemelhar à da Terra, com alguns argumentando que, com um lançamento ligeiramente diferente dos “dados darwinianos”, a Terra seria habitada por criaturas inimagináveis. 

Outros argumentam que, se houver vida em outro lugar do universo, a acharíamos surpreendentemente parecida conosco, até mesmo em seu nível mais básico de funcionamento celular.  

Na opinião do biólogo evolucionista da Universidade de Harvard Stephen Jay Gould as coisas não são bem assim. Conforme diz ele em seu livro Wonderful Life [Vida Maravilhosa. Norton&Company, 1990], nós, animais terrestres, não estamos aqui por milagre.

Nós estamos aqui porque “um grupo estranho de peixes tinha uma anatomia peculiar das barbatanas que poderia se transformar em pernas para criaturas terrestres, porque a Terra nunca congelou completamente durante uma era glacialporque uma espécie pequena e tênue, surgida na África há 250.000 anos tem conseguido, até agora, sobreviver por todos os meios possíveis”

Ainda segundo Gould, “nós podemos ansiar por uma resposta mais elevada, mas ela não existe”. Já na opinião de Charles S. Cockell, astrobiólogo da Universidade de Edimburgo e diretor do Centro de Astrobiologia do Reino Unido, as cosias não são bem assim.

Criaturas diferentes, física igual

Não importa nossa origem, todos somos regidos pelas mesma física
Crédito: Instituo SETI

Com uma visão contrária à de Gould, Cockell diz em seu livro The Equations of Life [As Equações da Vida. Basic Books, 2018] que o cosmos, se povoado, abrigaria criaturas parecidas com aquelas da cantina mal iluminada de Mos Eisley, no planeta Tatooine, de Guerra nas Estrelas [1977]

Não importa quão diferentes sejam as condições em mundos distantes, sugere Cockell, “toda a vida, sendo matéria viva, ou seja, capaz de se reproduzir e evoluir, está presumivelmente sujeita às mesmas leis da física: da mecânica quântica à termodinâmica e às leis da gravidade”.

Segundo Cockell, se executarmos novamente a fita da evolução, “o DNA, o RNA, o ATP, o ciclo de Krebs, ou seja, o ABC da biologia, provavelmente surgiriam novamente aqui ou em mundos distantes. Células únicas então se juntariam, buscando as vantagens da vida dos metazoários, até que você perceba que algo parecido com o zoológico terrestre venha a existir”.

Sem milagre, basta um asteroide

Os primeiros componentes da vida podem chegar em um asteroide em todo o universo
Crédito: Revista Galileu

Já a análise feita por Ralph Pudritz, astrofísico teórico e diretor do Instituto Origins, da Universidade McMaster, mostra que os 10 primeiros aminoácidos provavelmente se formarão a temperaturas e pressões relativamente baixas, e as chances calculadas de formação correspondem às concentrações desses produtos químicos da vida encontrado em amostras de meteoritos. 

Na opinião de Pudritz, o estudo “indica que você não precisa de um milagre para chegar ao coquetel químico do início da vida, apenas de um asteroide decentemente grande com os componentes certos”

Ainda segundo ele, “todo o universo poderia estar repleto de vida, desde os primeiros protetores probióticos até descendentes com DNA completo. O caminho de um para o outro é longo, mas tivemos 13 bilhões e meio de anos até agora e aconteceu pelo menos uma vez.

A Terra primitiva era coberta com material carbonáceo vindo de meteoritos e cometas que forneciam as matérias-primas de onde emergiu a primeira vida. Em seu livro The Eerie Silence [O Silêncio Delével. Bargain Price, 2011], o astrofísico Paul Davies faz eco a Gould, sugerindo que as células originais teriam sido capazes de escolher entre o coquetel orgânico da Terra. 

Até onde sabemos, escreve Davies: “os 21 escolhidos pela vida conhecida não constituem um conjunto único. Outras escolhas poderiam ter sido feitas, e talvez tenham sido feitas se a vida começou em outros lugares muitas vezes”.

Fonte: The Daily Galaxy  

Via: https://ufo.com.br/noticias/o-que-diz-a-ciencia-sobre-a-vida-em-outros-planetas-somos-a-unica-combinacao-possivel-ou-ha-outras.html

Assista, abaixo, um documentário sobre mundos alienígenas:

Veja também:





Categorias:Sem categoria

2 respostas

  1. Republicou isso em EXTRATERRESTRES.

    Curtir

Trackbacks

  1. Procurando por alienígenas em mundos distantes – EXTRATERRESTRES

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: